Integrador de marketplace
Porque contratar um integrador de marketplace
10 de fevereiro de 2021
Lei Geral de Proteção de Dados
Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD): como preparar o seu e-commerce
24 de fevereiro de 2021
Exibir tudo

Pix: como esse meio de pagamento pode impactar o e-commerce

pix no e-commerce

Não faz muito tempo que uma onda de notícias invadiu jornais, redes sociais e sites. Eram análises, levantamentos, instruções e previsões a respeito de um novo meio de pagamentos feito pelo Banco Central, o Pix. Em resumo, trata-se de uma forma de fazer pagamentos instantaneamente, uma nova modalidade de transferência, assim como já existe o DOC e o TED, por exemplo.

Neste artigo, contamos um pouco mais sobre o que é o Pix e seu impacto no e-commerce. Confira!

O que é o Pix?

Funcionando desde novembro de 2020, as transações levam em torno de 10 segundos e podem ser feitas através do aplicativo bancário no qual o usuário já tem a sua conta. Para criar um Pix basta usar um dado cadastral (como CPF, CNPJ, nome, telefone) e criar uma “chave aleatória”, formada por números e letras. Dessa forma, ao fazer um Pix para alguma pessoa ou empresa, não é necessário compartilhar dados pessoais com quem você combinar a transferência. 

Uma grande vantagem é que as transferências por Pix ficam disponíveis 24h, todos os dias da semana, além de serem imediatas, como falamos acima. Além disso, é possível usar essa possibilidade de pagamento também para empresas e MEIs (ou seja, pessoas físicas e jurídicas). 

O Pix é uma ótima alternativa para lojas online ampliarem seus meios de pagamento, não ficando assim restritos apenas a cartão de crédito, cartão de débito e boleto bancário. Vale dizer que o Pix também é válido entre empresas ou entre instituições governamentais.

Leia também: Rotas de entregas eficientes: como aplicar no seu negócio

Vantagens de utilizar o PIX no e-commerce

Após cadastrar um Pix para a sua empresa, é interessante que você deixe a opção visível junto aos outros meios de pagamento disponíveis. Dessa forma, o cliente que tiver preferência por este tipo de transação pode ficar mais inclinado a realizar uma compra.

O Pix também é mais barato para o lojista, e deve ser sempre gratuito para pessoa física. Com encargos mais baixos nos meios de pagamento, há mais verba disponível para investir em expansão, sortimento de produtos, ações promocionais, marketing, contratações, etc.

Os lojistas recebem o pagamento na hora – ele não é instantâneo somente quando feito somente entre pessoas físicas. Para compras ou transações entre clientes, ou entre duas empresas, a regra da agilidade também vale!

Maior acessibilidade também é um ponto de atenção para as marcas e empresas, já que pessoas que não têm cartão de crédito também podem ter Pix, dessa forma não ficam restritas ao boleto ou cartão de débito. Isso significa aumento instantâneo da possibilidade de clientes realizarem uma compra em um e-commerce que trabalhe com o Pix.

Vantagens do Pix para o consumidor

Enquanto pessoa física ou enquanto consumidor, ele pode fazer e receber pagamentos na hora. Isso se aplica a compras online, pagamentos a prestadores de serviços, doações e demais transferências.

O Pix é muito prático, requer somente a chave de utilização e a senha, o que agiliza transações. Além disso, é uma opção caso o consumidor esteja sem o cartão de crédito no momento de alguma compra, seja online ou não.

Ao contrário dos boletos, que costumam aplicar o prazo de três dias para a identificação do pagamento, o Pix é “automático”. Isso significa que a compra pode ser despachada com mais rapidez e menos tempo de espera até o comprador estar com seu produto em mãos!

Leia também: Vantagens do integrador de marketplace para as lojas VTEX

A empresa parceira de cartão de crédito vai sofrer impactos?

Muito provavelmente não, já que os cartões oferecem vantagens particulares, como acúmulo de milhas para passagens aéreas, pontos para trocar de produtos, descontos em cinemas, restaurantes, hotéis e programas de fidelidade. O Pix não visa substituir os pagamentos em cartão, apenas ampliar as formas de realizar pagamentos (os boletos, por exemplo, não excluem a utilidade do cartão de débito e vice-versa).

É estimado que um valor de 1,8 trilhão de reais tenha circulado no Brasil em 2019 através das vendas online feitas com cartão de crédito, débito e modalidades pré-pagas, de acordo com a ABECs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços). Desse montante, cerca de 60% na modalidade crédito e parcelado, 37% no débito e por volta de 3% foi em compras em modelo de pré-pagamento.

Através do Pix também não há parcelamentos, trata-se de uma transferência bancária. Por isso é importante que o e-commerce siga aceitando as formas de pagamento com as quais já trabalha. Quanto mais opções, maior a chance de converter vendas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *